O MERCADO DE CRÉDITO DE CARBONO AINDA EXISTE?

O MERCADO DE CRÉDITO DE CARBONO AINDA EXISTE?
PROJETOS DE CRÉDITO DE CARBONO – ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

(Bloomberg) – O mercado de carbono da Europa, de US$ 38 bilhões por ano, está finalmente começando a funcionar como se pretendia, controlando a poluição com um mínimo de queixas da indústria. Treze anos após ser criado para limitar as emissões de dióxido de carbono, os preços das licenças estão aumentando. As autoridades da União Europeia promulgaram medidas que deverão manter o custo da poluição em uma trajetória ascendente até 2030, levando os hedge funds que abandonaram o mercado a retornarem com tudo.

Fonte: https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2018/03/26/bilionario-mercado-de-carbono-europeu-enfim-cumpre-sua-funcao.htm

Gisele Victor Batista

Sendo considerado uma das grandes promessas, sobretudo quando se tornou uma commodities e pode ser negociado em bolsas de valores, o crédito de carbono amargou no descrédito por algumas décadas após sua criação. Contudo, este cenário foi revertido a partir de 2015, com o Acordo de Paris, quando um novo arranjo global impulsionou o mercado, com destaque ao papel da China neste contexto.

O Acordo de Paris, em 2015, foi aprovado pela maioria dos países-membros da Convenção, para reduzir emissões de gases de efeito estufa – GEE no contexto do desenvolvimento sustentável. O compromisso ocorreu no sentido de manter o aumento da temperatura média global em bem menos de 2°C acima dos níveis pré-industriais e de envidar esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

O Acordo de Paris passou a vigorar a partir de 2016, quando os governos se envolvam na construção de seus próprios compromissos, a partir das chamadas Contribuições Nacionalmente Determinadas Pretendidas (NDCs).

Por meio das NDCs, cada nação apresentou sua contribuição de redução de emissões dos gases de efeito estufa, seguindo o que cada governo considera viável a partir do cenário social e econômico local.

Atualmente, a comercialização dos créditos de carbono está em pleno desenvolvimento, acontecendo principalmente no âmbito do mercado financeiro internacional. Apesar do descrédito inicial, este mercado, que é restrito e específico, tem se efetivado através de milionárias transações comerciais.

“JUNTOS SOMOS TODOS MAIS FORTES”!!!

UNIÃO MEIO AMBIENTE e HARPIA MEIO AMBIENTE


BRAZILIAN TRADE COMPANY
 –https://sequestrarcarbono.com/2019/03/18/brazilian-trade-company/

Anúncios

COMO VENDER CRÉDITOS DE CARBONO?

COMO VENDER CRÉDITOS DE CARBONO?
PROJETOS DE CRÉDITO DE CARBONO – ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

Gisele Victor Batista

Os créditos de carbono de carbono decorrentes dos projetos de REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) e MDL (Mecanismo de Desenvolvimento Limpo) podem ser comercializados tanto no mercado primário, quando ocorre a transação comercial direta entre comprador e vendedor, mas também no mercado secundário, quando as negociações são realizadas através das bolsas de valores.

A valoração do projeto é realizada através do número de crédito de carbono que foram sequestrados e/ou evitados (projetos de REDD) ou pela implantação de uma nova tecnologia ou melhoramento no processo que reduzem as emissões dos gases do efeito estufa (projetos de MDL), no contexto das mudanças climáticas.

“JUNTOS SOMOS TODOS MAIS FORTES”!!!

UNIÃO MEIO AMBIENTE e HARPIA MEIO AMBIENTE


BRAZILIAN TRADE COMPANY
 –https://sequestrarcarbono.com/2019/03/18/brazilian-trade-company/

O FUTURO DO MERCADO DE CRÉDITO DE CARBONO NO BRASIL

O FUTURO DO MERCADO DE CRÉDITO DE CARBONO NO BRASIL.
PROJETOS DE CRÉDITO DE CARBONO – ECONOMIA DE BAIXO CARBONO

Gisele Victor Batista

Apesar de lento, o mercado de crédito de carbono no Brasil está tomando forma e promete muitas discussões. Segundo uma reportagem divulgada pela Folha de São Paulo, um setor que deverá ter reflexos diretos neste novo cenário é o da energia tradicional. A exemplo do que ocorre no México, Chile e Colombia, o Brasil também deve adotar um imposto sobre os combustíveis fósseis e carvão, com vistas à redução da poluição causada por este tipo de fonte de energia.

A reportagem informa que a decisão de adotar ou não a precificação do carbono no Brasil não é simples e deve acontecer no segundo semestre deste ano. Muitas questões ainda devem ser respondidas como a necessidade do país em adotar um mecanismo de precificação do carbono a partir de 2020 e qual seria o modelo deste mecanismo, para atender a realidade brasileira.

Todas estas medidas de redução dos gases do efeito estufa e a adoção das taxas ambientais tem o objetivo de desencorajar produtos e serviços com maior impacto, no contexto das mudanças climáticas, e incentivar as tecnologias limpas e renováveis. Contudo, apesar de impopular, a precificação do carbono é necessária e sua implantação é urgente.

“JUNTOS SOMOS TODOS MAIS FORTES”!!!

UNIÃO MEIO AMBIENTE e HARPIA MEIO AMBIENTE


BRAZILIAN TRADE COMPANY
 –https://sequestrarcarbono.com/2019/03/18/brazilian-trade-company/

Presidentes do Brasil e Paraguai se encontram para evoluir sobre economia, segurança e muito mais

Presidentes do Brasil e Paraguai se encontram para evoluir sobre economia, segurança e muito mais

ENCONTRO BILATERAL

Brasil e Paraguai discutem aproximação em áreas estratégicas

Tweet

publicado: 12/03/2019 16h43, última modificação: 12/03/2019 16h43

Entre os temas da reunião bilateral, Jair Bolsonaro e presidente paraguaio trataram de Itaipu e combate ao crime organizado

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, discutiram nesta terça-feira (12) a aproximação dos dois países em áreas estratégicas. Em reunião bilateral no Palácio do Planalto, foram tratados temas como a Itaipu Binacional, o combate ao crime organizado e setor automotivo.

Segundo o presidente, as duas nações manifestaram interesse em aproximar as relações e fortalecer laços bilaterais em segurança pública, comércio e infraestrutura.

“Queremos Brasil e Paraguai fortes e pujantes. Estamos tratando de questões de interesse dos nossos países. Poderemos, sim, progredir e trazer felicidade a nossos povos”, disse Bolsonaro em pronunciamento à imprensa, após reunião ampliada com autoridades do país vizinho.

Desafios regionais

Por sua vez, o presidente paraguaio ressaltou a importância da aproximação entre os dois países diante os desafios regionais da América do Sul, em especial frente à crise humanitária que afeta a Venezuela.

“Nem Brasil, nem Paraguai se mantêm indiferentes ao sofrimento de um povo irmão, como é o da Venezuela”, pontuou Benítez. Na visão do paraguaio, as histórias de Brasil e Paraguai se unem na defesa da liberdade e da democracia na região.

Agenda

No Palácio do Planalto, Benítez e Bolsonaro se reuniram em uma conversa privada e, na sequência, realizaram um encontro ampliado com as equipes dos dois países. Houve também uma declaração à imprensa e um almoço oferecido pelo governo brasileiro no Palácio do Itamaraty.

Pelas redes sociais, Bolsonaro afirmou que o encontro visa debater o fortalecimento da cooperação bilateral, econômica e em outras áreas estratégicas, como infraestrutura e segurança.

BRASIL ACIMA DE TUDO,
DEUS ACIMA DE TODOS!

“JUNTOS SOMOS TODOS MAIS FORTES”!!!

Como funciona o mercado de Crédito de Carbono

Como funciona o mercado de Crédito de Carbono

Como funciona o mercado de crédito de carbono?

Através de Compensações:

Cada tonelada de CO2e (equivalente) não emitida ou retirada da atmosfera por um país em desenvolvimento pode ser negociada no mercado mundial.

Cada tonelada de CO2e corresponde a um Crédito de Carbono.

Os Créditos de Carbono, são gerados a partir de Projetos de MDL ou REDD.

Resumindo: Crédito de Carbono é o mecanismo que permite aos países em desenvolvimento, vender “Créditos de Carbono” a um país desenvolvido para que este possa atender parte da redução de emissões de gases de efeito estufa exigida pelo protocolo de Kyoto.

Portanto, os países que não conseguirem atingir suas metas terão liberdade para investir em Projetos de Carbono de países em desenvolvimento.

A compra dos créditos permite-lhes manter ou aumentar suas emissões .

Estes créditos de carbono são considerados commodities (mercadorias negociadas com preços estabelecidos pelo mercado internacional).

A partir dos anos 2000, entrou em cena um mercado voltado para a criação de projetos de redução da emissão dos gases que aceleram o processo de aquecimento do planeta.

O mercado de créditos de carbono, surgiu a partir do Protocolo de Quioto; acordo internacional que estabeleceu que os países desenvolvidos deveriam reduzir, entre 2008 e 2012, suas emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) 5,2% em média, em relação aos níveis medidos em 1990.

O Protocolo de Quioto criou o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que prevê a redução certificada das emissões. Uma vez conquistada essa certificação, quem promove a redução da emissão de gases poluentes tem direito a créditos de carbono e pode comercializá-los com os países que têm metas a cumprir.

PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO – QUAL O PRIMEIRO PASSO PARA FAZER UM PROJETO DE CRÉDITOS DE CARBONO?

“JUNTOS SOMOS TODOS MAIS FORTES”!!!