MUDANÇAS CLIMÁTICAS Redução de Emissão de Desmatamento e Degradação Florestal – REDD

uniao meio ambienteMUDANÇAS CLIMÁTICAS
Redução de Emissão de Desmatamento e Degradação Florestal – REDD

Desde o 1º. Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima – IPCC, divulgado em 1990, a análise das evidências observacionais dos modelos climáticos vêm demonstrando uma influência humana importante na mudança global do clima, e que o aquecimento observado durante os últimos 100 anos é pouco provável que seja consequência apenas de uma forçante natural, como a influência solar. Entretanto, a identificação do aumento na concentração de gases de efeito estufa – GEE na atmosfera, provocando uma forçante radiativa antrópica, podem explicar as mudanças observadas de temperatura do planeta, e atividades como o reflorestamento, florestamento e o desflorestamento podem desempenhar um importante papel na política das mudanças climáticas globais. No 4º. Relatório de Avaliação do IPCC, o painel científico orientou que “as atividades de mitigação relacionadas com as florestas podem reduzir de forma considerável as emissões por fontes e aumentar as remoções de CO2 por sumidouros com custos baixos e podem ser planejadas para criar sinergias com a adaptação e o desenvolvimento sustentável, pois ao redor de 65% do potencial total de mitigação (até 100 US$/tCO2eq) está localizado nos trópicos e cerca de 50% do total poderia ser alcançado reduzindo-se as emissões do desflorestamento”. Avaliando os aspectos científicos, tecnológicos, ambientais, econômicos e sociais da mitigação da mudança do clima lançadas desde o 3º. Relatório de Avaliação do IPCC e os Relatórios Especiais sobre Captação e Armazenamento de CO2, o painel científico orientou ainda que “a mudança do clima pode afetar o potencial de mitigação do setor florestal (ou seja, nas florestas nativas e plantadas) e deve ser distinta entre as diferentes regiões e sub-regiões, tanto em magnitude quanto em direção, e as opções de mitigação relacionadas com as florestas podem ser planejadas e implementadas de forma compatível com a adaptação e podem ter co-benefícios substanciais em termos de geração de empregos, geração de renda, biodiversidade e conservação das bacias hidrográficas, oferta de energia renovável e redução da pobreza”. Analisando os aspectos socioeconômicos sobre a mitigação em curto médio e médio prazos (até 2.030), o painel científico concluiu que “os benefícios da mitigação de carbono por meio da redução do desmatamento, são em curto prazo, maiores que o reflorestamento e o florestamento. Em longo prazo (após 2.030), a estratégia do manejo florestal possibilita manter ou aumentar os estoques de carbono, ao mesmo tempo em que produz de forma sustentável a madeira, fibras e energia, e tende a gerar o maior beneficio de mitigação”. Reconhecendo, portanto, a importância das florestas para a mitigação dos efeitos do aquecimento global e os benefícios do manejo florestal sustentável, do ponto de vista das transformações socioambientais, em 2.008, a ONU propôs a Conferência das Partes – COP a criação do programa REDD – Redução de Emissão de Desmatamento e Degradação Florestal em países em desenvolvimento. Com esta medida, as florestas primárias, incluindo a Floresta Amazônica voltaram a desempenhar papel importante no debate sobre neutralização e mitigação, já que o programa pode ser usado para diminuir o avanço do desmatamento e reverter à degradação ambiental da Amazônia. Embora o programa REDD agregue valor à madeira e contribui para a implementação de projetos de manejo florestal sustentável, mantendo a floresta em pé, insta salientar que esses projetos não visam apenas absorver carbono da atmosfera, mas também evitar que mais gases traços e partículas poluentes sejam liberados para a atmosfera, por queimadas e decomposição de resíduos da floresta, dentre outros. O manejo florestal sustentável, por sua vez oferece duas possibilidades para benefícios em relação ao sequestro de carbono na atmosfera para mitigação dos efeitos do aquecimento global. Uma delas consiste em estocar o carbono em produtos de madeira, enquanto que a floresta manejada cresce novamente, sequestrando mais carbono da atmosfera. A segunda opção é por meio das mudanças na prática de exploração, que podem reduzir expressivamente dano à floresta remanescente e a consequente emissão de carbono. Sendo assim, o mecanismo do manejo florestal sustentável foi considerado pelo IPCC, no contexto da mitigação das mudanças climáticas globais, como um instrumento ambientalmente eficaz para aumentar a área florestal, pois contribui para a redução do desmatamento e traz impactos positivos significativos na propriedade rural, além de contribuir para o aumento da renda e fixação do homem no meio rural.Jornal Imparcial-Marco Alegre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s