MUDANÇAS CLIMÁTICAS: O IPCC

uniao meio ambienteMUDANÇAS CLIMÁTICAS: O IPCC

O IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima é o painel científico ligado às Nações Unidas, criado em 1988 pela Organização Mundial de Meteorologia – OMM e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, com o objetivo de estudar e divulgar abertamente as informações técnicas e socioeconômicas e os impactos relevantes aos riscos à humanidade, visando criar mecanismos para a adaptação e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas globais. Em 23 de setembro de 2014 o IPCC publicou o 5º. Relatório de Avaliação. Considerando que a população mundial está em crescimento rápido, devendo chegar a nove bilhões de pessoas em 2050, e que lá suas necessidades de recursos naturais serão muito maiores do que as atuais, entende-se assim por que, se a geração presente não fizer nada para mudar as tendências em vigor de seu modo de vida, deixará de herança um planeta à beira da exaustão e com um clima profundamente perturbado, tornando a sobrevivência das gerações futuras necessariamente muito mais difícil.
Declaração Rajendra K. Pachauri Presidente do IPCC, para a Cerimônia de Abertura da Cúpula do Clima da ONU
Bom dia. Saúdo Sua Excelência o Secretário-Geral da organização deste evento marcante. Tenho o privilégio de estar aqui para apresentar um resumo do 5º. Relatório de Avaliação do IPCC. O relatório, compilado por centenas de cientistas, é a avaliação mais abrangente do clima mudar já realizada. Três mensagens-chave surgiram a partir do relatório: Um – A influência humana sobre o sistema climático é clara – e em franco crescimento; Dois – Temos de agir rápido e decisivamente, se queremos evitar resultados cada vez mais destrutivos; Três – Nós temos os meios para limitar as mudanças climáticas e construir um futuro melhor. Permitam-me abordar cada um desses pontos. Nós temos provas abundantes de que estamos mudando nosso clima. A atmosfera e os oceanos têm aquecido, a quantidade de neve e gelo tem diminuído, e mar nível aumentou. Cada uma das três últimas décadas tem sido sucessivamente mais quente na superfície da Terra do que qualquer precedente, desde a década de 1850. Gases de efeito estufa na nossa atmosfera aumentaram para níveis sem precedentes no passado em 800.000 anos. Nossa hora de agir está se esgotando. Se quisermos que a chance de limitar o aumento global da temperatura para 2°C, as emissões devem atingir o pico em 2020. Se continuarmos os negócios como de costume, a nossa oportunidade de permanecer abaixo do limite de 2°C vai escapar bem antes de meados do século. Mais ainda, quanto mais esperarmos, maior o risco de impactos graves, generalizadas e irreversíveis. – Alimentos e escassez de água – O aumento da pobreza – Migrações que poderiam aumentar o risco de conflito violento forçado – Secas e inundações extremas – O colapso das camadas de gelo que inundam nossas cidades costeiras. E um aumento constante no nosso número de mortes, especialmente entre os mais pobres do mundo. Como a Terra é que podemos deixar para nossos filhos um mundo como este? Eu não tenho certeza que eu poderia estar diante de vocês, se as ameaças das mudanças climáticas não tivessem soluções. Mas eles fazem. Nós já temos os meios para construir um mundo melhor e mais sustentável. As soluções são muitas e permitem a continuação do desenvolvimento econômico. Enquanto algumas tecnologias precisam de desenvolvimento adicional, muitas já estão disponíveis. A energia renovável é uma opção real. Metade de nova capacidade de geração de energia elétrica do mundo em 2012 veio de fontes renováveis. Temos também grandes oportunidades para melhorar a eficiência energética. E nós podemos reduzir ainda mais as emissões por parar o desmatamento. Somos informados de que a limitação das alterações climáticas vai ser muito caro. Não vai. Mas espere até chegar a projeto de lei para a inação. Existem custos de agir – mas não são nada em comparação com o custo de inação. Tudo se resume a uma questão de escolha. Podemos continuar nosso caminho existente e enfrentar diretas consequências. Ou podemos ouvir a voz da ciência, e determinação para agir antes que seja tarde demais. Essa é a nossa escolha. Obrigado pela atenção. Para mais informações, entre em contato: IPCC Press Office, e-mail: IPCC-media@wmo.int Jonathan Lynn, em Nova York, + 41 79 666 7134.Marco Alegre

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s